ALEITAMENTO MATERNO: MITOS E CRENÇAS

Autores

  • Aline Cardoso de OLIVEIRA
  • Vivian Breglia Rosa VIEIRA

Resumo

Apesar de ser comprovado cientificamente que o aleitamento materno é o melhor para o bebê e para a mãe, observa-se que essa prática ainda está abaixo do recomendado pelos órgãos nacionais e internacionais. O ato de amamentar envolve questões técnicas e emocionais e carrega em si muitos mitos e crenças. Este trabalho teve o intuito de identificar mitos e crenças relacionadas ao aleitamento materno, que podem contribuir para o desmame precoce. Foi realizado um estudo do tipo descritivo e exploratório, com abordagem qualitativa e quantitativa de análise de dados. As participantes responderam a um questionário com perguntas de múltipla escolha e dissertativas, elaborado pela própria pesquisadora, relacionando o aleitamento materno e os possíveis mitos e crenças que existem em torno desta prática. Participaram da pesquisa 42 mães; dessas 48% eram gestantes e 52% lactantes. A totalidade das entrevistadas (100%) relatou ter feito ou estar fazendo pré-natal, porém 43% delas declararam não ter recebido nenhuma orientação quanto à prática do aleitamento materno. Quando questionadas com relação à estética dos seios após o período de amamentação dos seus bebês, 71% das mulheres disseram acreditar que amamentar deixa os seios caídos e flácidos. Concluiu-se que as gestantes e lactantes têm consciência de que o leite materno é o melhor e o mais completo alimento para o bebê. No entanto, pode-se verificar que ainda prevalecem alguns mitos relacionados ao aleitamento materno.

Publicado

2021-05-05

Edição

Seção

Artigos