ESPOROTRICOSE EM FELINOS

Autores

  • Geovana Maria Ceregatti BEROCAL
  • Deriane Elias GOMES

Resumo

A esporotricose, popularmente chamada de doença das roseiras ou doença dos jardineiros, é uma micose, de caráter zoonótico, que normalmente se implanta no tecido cutâneo ou subcutâneo através de uma lesão. Possui esse nome devido ao agente etiológico, Sporothrix schenckii, estar presente no meio ambiente, como por exemplo, em plantas, no solo e em cascas de árvores. Devido aos comportamentos naturais dos felinos, como caçar, brigar com os demais e afiar as garras nas árvores, os mesmos ficam mais expostos a contrair a doença e transmiti-la a outros seres. O diagnóstico definitivo é realizado com o isolamento e identificação do fungo S. schenckii. O tratamento pode ser realizado com itraconazol, cetoconazol, iodeto de sódio, fluconazol e terbinafina, com duração entre 16 e 80 semanas.  Nesse contexto, essa revisão bibliográfica teve como objetivo abordar a definição da doença esporotricose em felinos, etiopatogenia, transmissão, sinais clínicos, diagnóstico, tratamento, profilaxia e controle.

Publicado

2021-05-05

Edição

Seção

Artigos