“MATÉRIA” DO SERVIÇO SOCIAL: DO QUE ESTAMOS FALANDO?

Autores

  • Bruno Lopes da Silva

Resumo

Assistimos à derrocada dos direitos sociais, aliada a uma política neofascista do grande capital. O Golpe Parlamentar de 2016, acelerou mudanças, então em curso, que precarizaram ainda mais a situação da classe trabalhadora, assim como, a das/dos¹ Assistentes Sociais. Esta precarização se expressa, também, mas não só, nas requisições por parte das instituições empregadoras que não dizem respeito as atribuições privativas e competências deste profissional. Para fazer frente a tais requisições incompatíveis ao exercício profissional, a/o Assistente Social precisa estar permanentemente atento ao conteúdo sobre a “Matéria” do Serviço Social com vistas a atuar em consonância ao projeto ético-político profissional. Deste modo, estabelecemos como objetivo geral, elucidar no que consiste a especificidade da atuação da/do Assistente Social. Enquanto objetivo específico, apontar que nem sempre as requisições por parte da instituição empregadora condizem ao nosso projeto ético-político profissional. Outro objetivo específico consiste em dialogar com profissionais de Serviço Social que não tem clareza sobre suas atribuições o que pode indicar uma precarização da formação profissional. Ao mesmo tempo apontar estratégias possíveis no sentido de vislumbrar uma sociedade igualitária e justa.

Publicado

2021-05-05

Edição

Seção

Artigos